Só quero o que for meu: o caco, o nicho,/lá onde fura a noite a estrela-bicho. ("Culpe o vento".)

domingo, 29 de março de 2015

A PRIMOGÊNITA

...a primogênita de Tomé de Souza...

                                   antigo epíteto de Salvador, citado por Thales de Azevedo.

 I

Doida, fez de chão a Sé
e dissipou caixilhos
por bondes... trilhos, que arrancou depois
e frondes. Doida, doida,
o  delírio agora é para cima: a vertigem
das torres! Ah, as torres... E se enche
de reflexos,  muitos
de si mesma:
é tanta luz que se embriaga, mil espelhos
mil janelas: olhos vítreos, olhos cegos.

E faz alarde
e festeja
o fim de seu passado:
“Euzinha, coisa velha,
madeira de demolição, mas se aproveita
numa porta ou numa mesa, quanto charme!”

Pois foi sempre assim, a Grande Doida
esta senhora
e se por um tempo nos fez boa figura,
foi apenas ilusão: o fastígio de seus bens (que sempre os teve muitos).
Quer mais é esconder seus anos, ser Futura
como nunca o poderá, se gaguejo impertinente
minha praga-avessa, aqui vai ela:
           
                                   TUA PRI-MO-GE-NI-TU-RA!



 II

Volta pra casa, maluca: ’cê tá é velha.
Perdi meus pronomes, toda a compostura:
toma jeito de velha, te compreende, te emenda.

Toma tento, tenência,
óleo de rícino, elixir.
Lembra do Pirajá, que já pirou por ti;  lembra
da roda de enjeitados, ou do poeta-monge,
ou de Cecéu, ou dos mais próximos, 
que ainda agora foram (nem listo!).
Faz-se de besta, te conserta,
ó tia doida, vovozinha tresvairada,
minha bisa, minha mãe avoenga,
mil mulheres de olhos virados,
e mais a hiena de Salpetrière.
Volta, sinhá dona, volta!

Mas, quem é que pode?
Meteu na cabeça que é moça, viu demais novela,
acreditou.


III

(Num 29 de março qualquer)

No teu aniversário, melhor fora te calar verdades?
Tenho é gosto em te passar na cara:
és  velha, e a mais velha −

a primeira a nascer
e a primeira a esquecer.

Doida, desassuntada, ridícula...

(A Cidade atira na cabeça do poeta
                        uma lioz de Tomé de Souza.)

DOIDA DOIDA DOIDA!
Pois vou te arreliar que nem moleque perdido
vou puxar tua saia           vou te pôr apelidos:
a Babilanga, a Salvarelha,  a Dona Moça,
a Brilhosa, a Escondida, a Defendida,
a Fedida, a Podre-doce, a Dondocuda,
mil vezes doida...
                       
            Eu desvio, eu sempre desvio,
                        eu cato essa lioz e te devolvo.



In: "Culpe o vento". Rio de Janeiro: 7Letras, 2014, p. 167-169.


Nenhum comentário:

Postar um comentário