Só quero o que for meu: o caco, o nicho,/lá onde fura a noite a estrela-bicho. ("Culpe o vento".)

domingo, 7 de dezembro de 2014

TOM JOBIM MORRE EM NOVA IORQUE (1994)



I

Dizias, com tuas blagues,
admirando as alturas
dos prédios de Nova Iorque,
ser essa uma tal cidade

“pra se contemplar de maca...”
Incrível, o teu cadáver,
sem pasmo de arquitetura,
adivinhava uma placa

ali, da morte futura.
No céu do sertão, já eu,
surpreso da mesma morte,

não pude achar-te a estrela
que manda o lugar-comum...
Eram muitas; eu, nenhum.


II

Há céu? Ofusca.
Estrela, escava
alguma música,
qualquer palavra

que traga sono
a quem não dorme.
Inútil, longe,
teu corpo enorme...

Chegam de fusca:
por que tão triste
sem ser parente

− sem ser parente?
Estrela, insiste!
Há céu? Te busca!



III

A blague,
o céu:
cidade
e eu;

a nova,
a morte:
a cova
iorque.

Sertão
ardendo;
à noite, 

o frio...
Tremendo, 
o rio.