Só quero o que for meu: o caco, o nicho,/lá onde fura a noite a estrela-bicho. ("Culpe o vento".)

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Os anjos de Solange

        Livro sui generis, escrito durante uma tese de doutoramento sobre a novela "O anjo", de Jorge de Lima, o volume de poemas "O Anjo encarnado" (Scortecci, 2008), da poeta alagoana Solange Chalita, é daquelas obras em que o poético não se aparta do poema, quando se percebe uma espécie de chama ou fulguração em cada peça, nenhuma anódina, nenhuma preciosista, nenhuma menos "salivada pelo Verbo" -- como se sentia o poeta querido de Solange.
 
       São 73 poemas em que uma dicção concisa, de acento clássico mas não infensa a imagens e recursos da pós-modernidade, como os cortes abruptos que deixam palavras isoladas no verso, recria o universo limiano. Um personagem estilizado, "Herói", migra das páginas de ficção da novela para os versos de Solange, que também assimilam a iconografia angélica -- "anjo custódio", "anjo anunciador" etc. -- e criam a sua própria -- "anjo pendular", "anjo maestro", "anjo de tinta", entre muitos outros.

          Momentos de candura familiar são elevados à condição de poesia em "Um anjo para Celso e Marcela", quando se pode inferir que a autora tenha presenteado com um poema a sobrinhos recém-casados ("Apareces liquefeito/aos recém-casados//(...)//e então/ passearão na vida/abraçados/ao Anjo de tinta/ da tia"). Porque esta é uma poesia que reúne e aconchega, sem  pudores de não se mostrar, eventualmente, antilírica ou bem-pensante. Se a reflexão acadêmica não fez sucumbir a poeta, muito menos o fariam as expectativas do meio literário -- com a mesma leveza do poema aos sobrinhos, a base teórica utilizada para a tese desliza para outros momentos: é o que vemos quando Jung é imaginado como leitor de Jorge de Lima, ou quando Solange rouba um anjo a Walter Benjamim -- em possível referência ao estudo "O anjo da história", o qual, por sua vez, parte de uma tela de Paul Klee.

         A autora, que é viúva do pintor alagoano de origem libanesa Pierre Chalita, e administra a Fundação com seu acervo, é certeira na tessitura de imagens. O livro, aliás, traz ilustrações de Pierre Chalita, e assim estamos diante de mais um campo dialogal, agora o do amor entre os dois artistas -- a poeta e o pintor --, que com isso atualizam uma dualidade fundadora do próprio Jorge de Lima.

         Não escapam a Solange os paroxismos de um mundo descartável e utilitário, em contraponto a essa figura emblemática da tradição religiosa -- o anjo --, escolhida como objeto e refração do "eu" lírico. Assim, por exemplo, no poema "Anjo renovador", vemos trombetas "de garrafas pet" e "asas de PVC", quando seriam de se esperar bronze e plumas. Mas, como também diria Jorge de Lima, agora no soneto "O anjo daltônico": "...muita coisa a um anjo se assemelha".

        A seguir, transcrevo "Anjo renovador" e mais dois poemas, escolhidos por absoluta preferência pessoal, neste livro em que tudo parece estar em ascensão.

        Ao terminar a leitura de "O anjo encarnado", e pensando em um Brasil talvez já farto da poesia "de coisas" -- este nosso país de asas cortadas, mais realista que o rei e mais cabralino que Cabral --, fiquei a me perguntar: isso existeMas, de resto, é essa a mesma pergunta que nos fazemos ao pensar em anjos.

 

Anjo renovador

 
Trocaste tuas asas de penas

por asas de PVC

e tuas sandálias de seda

por tiras de plástico vermelho

 
 
saudades divinas

fizeram

escorrer lágrimas

de teus olhos negramente profundos

o coração irrigado a petróleo

latejou

ritmado pelo fogo

 
 
o amor derreteu-se

 
 
caldo amargo

a saciar a sede

da humanidade agonizante


 
colorido e apocalíptico

vieste

para anunciar

o fim do mundo

com trombetas

de garrafa pet

 

 
Metamorfoses do Anjo limiano


 Da ficção

migrou para o poema

com as mesmas penas

de ave guardiã

o vôo

deixou

sombra luminosa

que Herói não viu

na busca desejada

 
Divulgação
"Paraíso tropical", tela de Pierre Chalita

 

Da narrativa

migrou para o

retrato

com asas

ortogonais

parecendo

pinto

 

  
azul e

encarnado

de perneiras e

botinas

o anjo

pousou na

retina de

Herói

maquiado

 

Da pintura

migrou para o cello

ave canora

guiando o cego

na procura

da bem-amada

morta

 

 
O Anjo de Jorge

 

Encarnado

pelas mãos de Jorge

Custódio

foi o mais humano

dos Anjos

 
dupla sombra

de Herói

viveu

teve sonhos luxuriosos

bebeu

sofreu

peregrinou pela terra

 
como redator de carta

o melhor mensageiro

espalhou aos quatro cantos

que só o amor

pode remediar a injustiça

e redimir os pecadores


 
antes de se proletarizar

cristianizou-se





O livro:

"O anjo encarnado", menção honrosa do I Prêmio de Literatura UBE/Scortecci - 2005

A autora:

Solange Berard Lages Chalita
é doutora em Letras, poeta e artista plástica, presidente da Fundação Pierre Chalita (Maceió-AL).


Publicou também "Canto Anônimo" (poesia - 1967); "Canto Sinônimo" (poesia - 1970); "Canto/Desencanto" (poesia - 1975); "Passagem" (contos - 1979); "Lily Lages" (ensaio - 1978); "Teatro em dois tempos" (ensaio - 1994); "Uma leitura junguiana do cordel nordestino: dois exemplos" (ensaio - 2002); e "Canto mínimo" (poesia- 2008).

Acima, Solange e Pierre Chalita.


 

2 comentários:

  1. Grande Jorge de Lima! Poeta do qual, lamentavelmente, ando afastada. A sua obra eclética, sua lírica carregada de símbolos (religiosos, nordestinos, mitológicos) nos leva a reflexão sobre a nossa terra e a nossa gente mística. Este espaço é mto importante para recuperarmos autores tão próximos do nosso coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Marta, a proposta é essa mesmo. Aliás, eu também andava longe de Jorge de Lima -- mas, felizmente, topei com Solange.

      Excluir